SEJA BEM-VINDO AO MEU MAR DE EMOÇÕES...

sábado, março 31, 2007

ADEUS...

Adeus
Já gastámos as palavras pela rua, meu amor,
e o que nos ficou não chega
para afastar o frio de quatro paredes.
Gastámos tudo menos o silêncio.
Gastámos os olhos com o sal das lágrimas,
gastámos as mãos à força de as apertarmos,
gastámos o relógio e as pedras das esquinas
em esperas inúteis.
Meto as mãos nas algibeiras e não encontro nada.
Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro;
era como se todas as coisas fossem minhas:
quanto mais te dava mais tinha para te dar.
Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes.
E eu acreditava.
Acreditava,
porque ao teu lado
todas as coisas eram possíveis.
Mas isso era no tempo dos segredos,
era no tempo em que o teu corpo era um aquário,
era no tempo em que os meus olhos
eram realmente peixes verdes.
Hoje são apenas os meus olhos.
É pouco mas é verdade,uns olhos como todos os outros.
Já gastámos as palavras.
Quando agora digo: meu amor,
já não se passa absolutamente nada.
E no entanto, antes das palavras gastas,
tenho a certeza
de que todas as coisas estremeciam
só de murmurar o teu nome
no silêncio do meu coração.
Não temos já nada para dar.
Dentro de ti
não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.
Adeus.
[Eugénio de Andrade in "Os amantes sem dinheiro" (1950)]

sexta-feira, março 30, 2007

Por tudo...


Pelas sementes de amor que em mim plantaste,
Pela pessoa que sou,
Por tudo o que representas para mim,
Deixo-te hoje a nossa flor:
Margarida
Estejas onde estiveres,
vais permanecer viva no meu coração...
Amo-te hoje e sempre querida avó.

quinta-feira, março 29, 2007

A Luta pela Recordação

Os meus pensamentos foram-se afastando de mim, mas, chegado a um caminho acolhedor, repilo os tumultuosos pesares e detenho-me, de olhos fechados, enervado num aroma de afastamento que eu próprio fui conservando, na minha pequena luta contra a vida. Só vivi ontem. Ele tem agora essa nudez à espera do que deseja, selo provisório que nos vai envelhecendo sem amor. Ontem é uma árvore de longas ramagens, e estou estendido à sua sombra, recordando. De súbito, contemplo, surpreendido, longas caravanas de caminhantes que, chegados como eu a este caminho, com os olhos adormecidos na recordação, entoam canções e recordam. E algo me diz que mudaram para se deter, que falaram para se calar, que abriram os olhos atónitos ante a festa das estrelas para os fechar e recordar... Estendido neste novo caminho, com os olhos ávidos florescidos de afastamento, procuro em vão interceptar o rio do tempo que tremula sobre as minhas atitudes. Mas a água que consigo recolher fica aprisionada nos tanques ocultos do meu coração em que amanhã terão de se submergir as minhas velhas mãos solitárias...
(Pablo Neruda, in 'Nasci para Nascer' )
Não há um dia que não me lembre de ti...
Amanhã seria o teu aniversário...
FAZES-ME FALTA...

quarta-feira, março 28, 2007

O AMOR...


O amor é um dar-se sem fim,
é um querer além do querer-se,
um encontro com a própria alma,
que suspira apaixonada pela presença de outra alma,
almas que se encontram na caminhada,
na longa estrada,
que insistimos em chamar de vida.

terça-feira, março 27, 2007

NINGUÉM...


Ninguém pode possuir um nascer do Sol.
Ninguém pode possuir uma tarde de chuva batendo na vidraça,
ou a serenidade que uma criança dormindo espalha em seu redor,
ou o momento mágico das ondas quebrando nas rochas.
Ninguém pode possuir o que existe de mais belo na Terra...
mas podemos conhecer e amar.
(Paulo Coelho)

segunda-feira, março 26, 2007

QUANDO...


Quando em teu coração desabrocha, cheia de vida, a flor perfumada do amor,
lembra-te que alguém a plantou certo dia, dentro de ti.
Quando o teu coração se ilumina do suave colorido do pôr-do-sol,
lembra-te que alguém amanheceu contigo.
Quando o fogo da paixão abrasa o teu coração, consumindo todas as tuas fibras,
na imolação do prazer, lembra-te que alguém acendeu esta chama.
Quando teu coração estiver bordado de sonhos dourados,
tecidos com fios de luar, lembra-te que alguém coloriu teu mundo interior.
Quando a noite encontrar-te com o coração partido e angustiado pelas amarguras colhidas durante o dia,
lembra-te que alguém possui o consolo que precisas.
Quando teu rosto não puder conter a torrente de lágrimas
lembra-te que existe alguém te esperando de lenço na mão.
Quando a insônia te revolve desesperadamente na cama,
lembra-te que alguém pode semear sonhos de paz em tua mente.
Quando a solidão te oprimir e o teu grito não encontrar eco,
lembra-te que lá do outro lado alguém ama a tua companhia
e entende o teu clamor.
Quando os teus segredos não cabem mais dentro de ti,
ameaçando romper os diques de tua alma, lembra-te que existe
alguém disposto a recolhê-los e guardá-los com o carinho
e a dignidade que tu esperas.
Quando em teu coração mora o azul do céu, a calidez do sol,
o gorjeio dos pássaros, o perfume das flores,
a nostalgia do entardecer, o encanto das manhãs,
a serenidade dos lagos e o sorriso da ventura,
lembra-te que alguém tocou o teu coração com a varinha milagrosa do amor.
Tu, que amas e vives no controvertido mundo do arco-íris e da escuridão,
da calma e da agitação, da paz e da instabilidade,
saibas que existe mais alguém habitando o teu planeta!
Nas horas felizes, partilha com ele teus sorrisos;
nas horas de solidão, vai, levanta-te e o procura, onde quer que ele esteja.
Ele não é senão parte de ti, assim como tu és parte dele.
Não olhes o relógio! Que importa as horas?
A vida é tão curta, não há tempo a perder.
Tu que amas, se tiveres a coragem e a singeleza de assim o fazer,
abre teus lábios e canta o milagre do amor,
porque só o amor aproxima as pessoas
e faz com que falem a mesma linguagem!


(Enviado por mail pela minha querida maninha)
BOA SEMANA PARA TODOS...

sábado, março 24, 2007

UM CONTO...


O HOMEM...
Era uma tarde do fim de Novembro, já sem nenhum Outono.
A cidade erguia as suas paredes de pedras escuras. O céu estava alto, desolado, cor de frio. Os homens caminhavam empurrando-se uns aos outros nos passeios. Os carros passavam depressa.
Deviam ser quatro horas da tarde de um dia sem sol nem chuva.
Havia muita gente na rua naquele dia. Eu caminhava no passeio, depressa. A certa altura encontrei-me atrás de um homem muito pobremente vestido que levava ao colo uma criança loira, uma daquelas crianças cuja beleza quase não se pode descrever. É a beleza de uma madrugada de Verão, a beleza de uma rosa, a beleza do orvalho, unidas à incrível beleza de uma inocência humana.
Instintivamente o meu olhar ficou um momento preso na cara da criança. Mas o homem caminhava muito devagar e eu, levada pelo movimento da cidade, passei à sua frente. Mas ao passar voltei a cabeça para trás para ver mais uma vez a criança.
Foi então que vi o homem. Imediatamente parei. Era um homem extraordinariamente belo, que devia ter trinta anos e em cujo rosto estavam inscritos a miséria, o abandono, a solidão. O seu fato, que tendo perdido a cor tinha ficado verde, deixava adivinhar um corpo comido pela fome. O cabelo era castanho-claro, apartado ao meio, ligeiramente comprido. A barba por cortar há muitos dias crescia em ponta. Estreitamente esculpida pela pobreza, a cara mostrava o belo desenho dos ossos. Mas mais belos do que tudo eram os olhos, os olhos claros, luminosos de solidão e de doçura. No próprio instante em que eu o vi, o homem levantou a cabeça para o céu.
Como contar o seu gesto?
Era um céu alto, sem resposta, cor de frio. O homem levantou a cabeça no gesto de alguém que, tendo ultrapassado um limite, já nada tem para dar e se volta para fora procurando uma resposta: A sua cara escorria sofrimento. A sua expressão era simultaneamente resignação, espanto e pergunta. Caminhava lentamente, muito lentamente, do lado de dentro do passeio, rente ao muro. Caminhava muito direito, como se todo o corpo estivesse erguido na pergunta. Com a cabeça levantada, olhava o céu. Mas o céu eram planícies e planícies de silêncio.
Tudo isto se passou num momento e, por isso, eu, que me lembro nitidamente do fato do homem, da sua cara, do seu olhar e dos seus gestos, não consigo rever com clareza o que se passou dentro de mim. Foi como se tivesse ficado vazia olhando o homem.
A multidão não parava de passar. Era o centro do centro da cidade. O homem estava sozinho, sozinho. Rios de gente passavam sem o ver.
Só eu tinha parado, mas inutilmente. O homem não me olhava. Quis fazer alguma coisa, mas não sabia o quê. Era como se a sua solidão estivesse para além de todos os meus gestos, como se ela o envolvesse e o separasse de mim e fosse tarde de mais para qualquer palavra e já nada tivesse remédio. Era como se eu tivesse as mãos atadas. Assim às vezes nos sonhos queremos agir e não podemos.
O homem caminhava muito devagar. Eu estava parada no meio do passeio, contra o sentido da multidão.
Sentia a cidade empurrar-me e separar-me do homem. Ninguém o via caminhando lentamente, tão lentamente, com a cabeça erguida e com uma criança nos braços rente ao muro de pedra fria.
Agora eu penso no que podia ter feito. Era preciso ter decidido depressa. Mas eu tinha a alma e as mãos pesadas de indecisão. Não via bem. Só sabia hesitar e duvidar. Por isso estava ali parada, impotente, no meio do passeio. A cidade empurrava-me e um relógio bateu horas.
Lembrei-me de que tinha alguém à minha espera e que estava atrasada. As pessoas que não viam o homem começavam a ver-me a mim. Era impossível continuar parada.
Então, como o nadador que é apanhado numa corrente desiste de lutar e se deixa ir com a água, assim eu deixei de me opor ao movimento da cidade e me deixei levar pela onda de gente para longe do homem.
Mas enquanto seguia no passeio rodeada de ombros e cabeças, a imagem do homem continuava suspensa nos meus olhos. E nasceu em mim a sensação confusa de que nele havia alguma coisa ou alguém que eu reconhecia.
Rapidamente evoquei todos os lugares onde eu tinha vívido. Desenrolei para trás o filme do tempo. As imagens passaram oscilantes, um pouco trémulas e rápidas. Mas não encontrei nada. E tentei reunir e rever todas as memórias de quadros, de livros, de fotografias. Mas a imagem do homem continuava sozinha: a cabeça levantada que olhava o céu com uma expressão de infinita solidão, de abandono e de pergunta.
E do fundo da memória, trazidas pela imagem, muito devagar, uma por uma, inconfundíveis, apareceram as palavras:
- Pai, Pai, por que me abandonaste?
Então compreendi por que é que o homem que eu deixara para trás não era um estranho. A sua imagem era exactamente igual à outra imagem que se formara no meu espírito quando eu li:
- Pai, Pai, por que me abandonaste?
Era aquela a posição da cabeça, era aquele o olhar, era aquele o sofrimento, era aquele o abandono, aquela a solidão.
Para além da dureza e das traições dos homens, para além da agonia da carne, começa a prova do último suplício: o silêncio de Deus.
E os céus parecem desertos e vazios sobre as cidades escuras.
Voltei para trás. Subi contra a corrente o rio da multidão. Temi tê-lo perdido. Havia gente, gente, ombros, cabeças, ombros. Mas de repente vi-o.
Tinha parado, mas continuava a segurar a criança e a olhar o céu.
Corri, empurrando quase as pessoas. Estava já a dois passos dele. Mas nesse momento, exactamente, o homem caiu no chão. Da sua boca corria um rio de sangue e nos seus olhos havia ainda a mesma expressão de infinita paciência.
A criança caíra com ele e chorava no meio do passeio, escondendo a cara na saia do seu vestido manchado de sangue.
Então a multidão parou e formou um círculo à volta do homem. Ombros mais fortes do que os meus empurram-me para trás. Eu estava do lado de fora do círculo. Tentei atravessá-lo, mas não consegui. As pessoas apertadas umas contra as outras eram como um único corpo fechado. À minha frente estavam homens mais altos do que eu que me impediam de ver. Quis espreitar, pedi licença, tentei empurrar, mas ninguém me deixou passar. Ouvi lamentações, ordens, apitos. Depois veio uma ambulância. Quando o círculo se abriu, o homem e a criança tinham desaparecido.
Então a multidão dispersou-se e eu fiquei no meio do passeio, caminhando para a frente, levada pelo movimento da cidade.

Muitos anos passaram. O homem certamente morreu.
Mas continua ao nosso lado. Pelas ruas.


(Sophia de Mello Breyner Andresen, in Contos Exemplares)



sexta-feira, março 23, 2007

AINDA ASSIM...

Um dia quando procurares por mim,
quando sentires a minha falta...
Porque um dia... tu saberás que eu te faço falta...
No momento em que a solidão invadir o teu coração
Tu vais precisar de mim
Ainda assim eu te irei abrir a porta...
E então vou aquecer-te com o meu abraço...
Ainda assim o meu amor vai falar por mim...
Ainda que eu diga e saiba que não me mereces...
Ainda assim terás o meu perdão...
Porque um dia eu te amei...
E quem ama perdoa...
Vou te abrir de novo a porta...
... A porta do meu coração...
BOM FIM DE SEMANA...
Brisa do mar

quinta-feira, março 22, 2007

SE QUISER...



Se quiser fugir pra qualquer lugar que for
Nem precisa me chamar,
tão perto que eu estou
Com esse medo de perder,
não te deixa me olhar
Esqueça o que passou,
que tudo vai mudar
Agora eu posso ser seu anjo, seus desejos sei de cor
Pro bem e pro mal, você me tem não vai se sentir só
Meu amor
Sempre que quiser um beijo eu vou te dar
Sua boca vai ter tanta sede de me tomar
Se quiser
Sempre que quiser ir às estrelas me dê a mão
Deixa eu te levar
Eu penso te tocar, te falar coisas comuns
E poder te amar, o amor mais incomum
Não deixo o medo te impedir, de chegar perto de mim
O que aconteceu ontem não vai mais repetir
Me deixa então estar contigo, seus desejos sei de cor
Pro bem e pro mal, você me tem não vai se sentir só
Meu amor
Se quiser
Sempre que quiser um beijo eu vou te dar
Sua boca vai ter tanta sede de me tomar
Se quiser
Sempre que quiser ir às estrelas me dê a mão
Deixa eu te levar
Me deixa ser real e te ajudar a ser feliz
Porque eu sou o seu fogo, tudo o que você quis
Sempre que quiser um beijo eu vou te dar
Sua boca vai ter tanta sede de me tomar
Se quiser
Sempre que quiser ir às estrelas me dê a mão
Deixa eu te levar

(Tânia Mara )
Uma linda música...
Que me deixa ...
....nas nuvens...

quarta-feira, março 21, 2007

PRIMAVERA NA ALMA...

SER POETA

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do reino de Aquém e de Além Dor!
É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!
É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim ...
É condensar o mundo num só grito!
E é amar-te, assim, perdidamente ...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!
( Florbela Espanca )

SER POETA É SER MAIS ALTO...
Portugal é um país de poetas e esta poesia
é uma das minhas preferidas,
mas existem muitos poetas que infelizmente
nunca viram as suas obras publicadas.
Como hoje é o Dia da Poesia e o 1º Dia da Primavera,
deixo também aqui um outro poema
cujo autor ainda não é conhecido.



Há-de Haver
Há-de haver um tempo e um espaço só para nós
Há-de ser o vento a trazer-nos a emoção
Há-de ser o Mar a chamar-nos para o Amor
Há-de ser o arco-íris a canção de um trovador
Há-de ser o Sonho a segredar-nos o Pôr-do-Sol
Há-de ser o céu azul a violeta que seduz
Há-de ser a flor do jardim do coração
A mais bela prenda que cultivei só para ti
Hão-de ser as praças e os passeios da cidade
A brilhar meus olhos de encanto e de saudade
Hão-de ser castelos e os telhados destas casas
Os berços de oiro que embalam o Sol poente
Hão-de ser os sinos a juntar-nos num só fogo
E as andorinhas a indicarem os caminhos
Há-de ser o Sol a sorriso destas flores
A fazer nascer a Primavera em todos nós
(Carlos Alberto Silva)

Encontrei aqui!

segunda-feira, março 19, 2007

8 ANOS...


AMOR DA MÃE:
Muitos Parabéns pelos teus 8 aninhos
Quando chegas-te, a casa encheu-se de fragrância,
a Primavera tinha chegado mais cedo nesse ano
Nasces-te no Dia do Pai, um dia especial,
Deus mandou-nos um presente desejado e sonhado:
uma menina... a nossa Catarina
Agradeço a Deus por tudo...
Obrigado por teus olhos e por tuas mãos,
Obrigado por teus pés e por tua pele,
Obrigado por teu corpo e por tua alma,
Que todos os dias da tua vida tenham tudo o que há de bom no mundo
que o teu anjinho te proteja sempre...
Muitos Parabéns dos teus maiores amigos:

Mãe, Pai e Mana
Beijos Doces...
Meu Amor


sexta-feira, março 16, 2007

AMOR

AMOR

Cala- te, a luz arde entre os lábios,
e o amor não contempla, sempre
o amor procura, tacteia no escuro,
essa perna é tua?, esse braço?,
subo por ti de ramo em ramo,
respiro rente à tua boca,
abre se a alma à lingua, morreria
agora se mo pedisses, dorme,
nunca o amor foi fácil, nunca,
também a terra morre.

(Eugénio de Andrade)
Bom Fim de Semana...

quinta-feira, março 15, 2007

Tua Luz Brilha...


Tua luz brilha, mesmo quando não a queres,
mesmo quando não a vês.
Poderás esconder-te de ti mesmo,
apagando todas as tuas velas,
todas as tuas lamparinas;
cobrindo com véus as tuas estrelas azuis,
nublando com nuvens pesadas o teu céu
para que nele nem a lua e nem o sol possam ser vistos...
Mas quando te distraíres, por segundos, ao som de uma canção
que invoca a luz do amor, quando te distraíres olhando para o mar
ou brincando sem querer com
os moinhos de vento da tua memória, saberás que brilhaste...
E, se neste momento, puderes soltar tuas amarras e,
feito um pássaro, voar pelo teu universo interior,
verás quão luminoso é o teu ser.
Sentirás as mãos amorosas da existência guiando teu coração
e ensinando-te a amar...
Saberás não estar sozinho, saberás ser amado e agraciado pelo
amor do teu Criador.
E tudo isso porque deixaste, sem querer, a tua luz iluminar,
o teu ser respirar a vida que nasce alegre a cada momento
em que te decides por ti mesmo.

Fiquem bem...

quarta-feira, março 14, 2007

UNO...

"Tal como és uno com a pessoa que foste há um segundo
ou há uma semana,
tal como és uno com a pessoa que serás daqui a um momento
ou daqui a uma semana,
também és uno com a pessoa que foste numa vida passada,
com aquela que és numa vida alternativa,
com aquela que serás em centenas de vidas naquilo a que chamas o teu futuro."
( "O Livro do Messias", de Richard Bach)

Segundo Plotino, Uno refere-se a Deus.

Uno porque todos fazemos parte desse mesmo contexto,

todos somos Deus e Deus somos nós.

terça-feira, março 13, 2007

DESAFIOS...



Todos nós sonhamos em encontrar um grande amor e, como nos contos de fadas, viver felizes para sempre.
Mas construir um relacionamento saudável é um dos maiores (e melhores) desafios da vida.
Os bons relacionamentos oferecem oportunidades ilimitadas de apoio e de troca.
Amar e ser amado continua sendo uma das maiores buscas do ser humano.
Provavelmente, por mais que a humanidade evolua,
essa questão dificilmente vai se modificar.
Aceitemos os desafios que a vida nos oferece, que mais não seja, deles se tiram sempre grandes lições de Vida...
Brisa do mar

segunda-feira, março 12, 2007

Meras Palavras...


O meu coração procura por ti,
pelas tuas palavras...
ao deixar-me embalar
pela voz que me diz palavras cheias de sentidos e sentimentos,
...que têm a maciez do algodão,
...que têm cheiro a maresia...
...que têm o som do riso de uma criança...
... o sabor do mais puro mel...
...encontro conforto...
Sem ti as palavras são apenas palavras…
... meras palavras...
… incapazes de fazerem sentido para mim…
Sem ti nem mesmo a bússola que seguro agora na palma da mão
me servirá de alguma coisa na busca do meu norte…


Brisa do Mar

sexta-feira, março 09, 2007

A Bússola Original


Os sonhos são como uma bússola, indicando os caminhos que seguiremos e as metas que queremos alcançar.
São eles que nos impulsionam, nos fortalecem e nos permitem crescer.
Se os sonhos são pequenos, nossas possibilidades de sucesso também serão limitadas.
Desistir dos sonhos é abrir mão da felicidade porque quem não persegue seus objetivos está condenado a fracassar 100 % das vezes.
Analisando a trajetória vitoriosa de grandes sonhadores, como Jesus Cristo, Abraão Lincoln e Martin Luther King, Cury nos faz repensar nossa vida e nos inspira a não deixar nossos sonhos morrerem.


Por curiosidade:
As primeiras bússolas chinesas não utilizavam agulhas .
Eram compostas por um prato quadrangular representando a Terra.
O "indicador"(objeto que indica a direção), com forma de concha,
era de pedra imantada e a base (prato), de bronze.
Um círculo no centro do prato representava o céu e a base quadrada, a terra.

a bússola da imagem...
Beijinhos
e
Bom fim de semana

quinta-feira, março 08, 2007

PARABÉNS JOANINHA!!!

HOJE É DIA DE FESTA!!!
faz 2 anos que dei à luz a minha Joaninha,
Dia da mulher,
e eu a ser abençoada com mais uma mulher na minha vida
um dia especial ...

Eram apenas dois olhinhos de carvão
abertos ao clarão da vida
a mãozinha presa no meu dedo
os lábios sugando ávidos o seio.
eram os sorrisos da lua.
nas noites de insónias partilhadas
olhavam-me como quem abraça tudo
a côr, a cara, a voz, o calor e o cheiro
e o silêncio era um veio de oiro
cresceram no calor do ninho
pintei todas as cores do arco-íris
brinquei com cavalos e carrinhos
inventei histórias de dragões
e enfeitei-as de princesas, fadas
e ursinhos
joguei todos os jogos e refiz
várias vezes o puzzle do vosso olhar
hoje vejo-vos voar devagarinho
nos beirais do mundo há tanto perigo!
mas a quietude do ninho ainda hoje
vos dá um refúgio de ternura!
nunca mais me senti só
bastou saber-vos no segredo dos meus olhos
basta agora o riso e a descoberta
basta o brilho no vosso olhar em festa
basta que colham da vida a melhor flor
e eu terei cumprido o meu papel de mãe
Minhas filhas:
- tudo começa e acaba em vós
a maré que vem e o sol que se há-de pôr...
AMO-VOS MUITO!!!




PARABÉNS MEU AMOR...

quarta-feira, março 07, 2007

De que árvore caíste?...


Procura o dia do teu aniversário e encontra a tua árvore...
uma vez localizado encontra abaixo a explicação sobre o mesmo.
É interessante e de alguma maneira preciso, além do mais faz parte da astrologia Celta.

23 de Dez até 01 de Jan - Árvore de Maçã
02 de Jan até 11 de Jan - Árvore de Abeto
12 de Jan até 24 de Jan - Árvore de Olmo
25 de Jan até 03 de Fev - Cipres
04 de Fev até 08 de Fev - Álamo
09 de Fev até 18 de Fev - Cedro
19 de Fev até 28 de Fev - Pinheiro
01 de Mar até 10 de Mar - Sauce Llorón - Salgueiro Chorão
11 de Mar até 20 de Mar - Árvore de Limas
21 de Mar - Carvalho
22 de Mar até 31 de Mar - Árvore de Avelã
01 de Abr até 10 de Abr - Árvore Rowan
11 de Abr até 20 de Abr - Árvore de Arce
21 de Abr até 30 de Abr - Nogueira
01 de Mai até 14 de Mai - Álamo
15 de Mai até 24 de Mai - Árvore de Castanhas
25 de Mai até 03 de Jun - Árvore de Cinzas
04 de Jun até 13 de Jun - Árvore Hornbeam
14 de Jun até 23 de Jun - Figueira
24 de Jun - Árvore de Abedul
25 de Jun até 04 de Jul - Árvore de Maçã
05 de Jul até 14 de Jul - Árvore de Abeto
15 de Jul até 25 de Jul - Árvore de Olmo
26 de Jul até 04 de Ago - Cipreste
05 de Ago até 13 de Ago - Alamo
14 de Ago até 23 de Ago - Cedro
24 de Ago até 02 de Set - Pinheiro
03 de Set até 12 de Set - O Sauce Llorón - Salgueiro Chorão
13 de Set até 22 de Set - Árvore de Limas
23 de Setembro - Oliveira
24 de Set até 03 de Out - Árvore de Avelã
04 de Out até 13 de Out - Árvore de Rowan
14 de Out até 23 de Out - Árvore de Arce
24 de Out até 11 de Nov - Nogueira
12 de Nov até 21 de Nov - Árvore de Castanhas
22 de Nov até 01 de Dez - Árvore de Cinzas
02 de Dez até 11 de Dez - Árvore Hornbeam
12 de Dez até 21 de Dez - Figueira
22 de Dezembro - Árvore de Faia


ÁLAMO (A Incerteza)
É uma pessoa com um alto sentido de estética, não é muito segura de si mesma, valente se for necessário, precisa está em um ambiente agradável, é muito selectiva, as vezes solitária, muito alegre, de natureza artística, boa organizadora, tenta aprender através da filosofia, confiável em qualquer situação, assume as relações muito seriamente.
ÁRVORE DE ABEDUL (A Inspiração)
Uma pessoa vigorosa atractiva, elegante, amistosa, não é pretensiosa, é modesta, não gosta de excessos, se aborrece com coisas vulgares, ama a vida na natureza e a calma, não é muito apaixonada, cheia de imaginação, um pouco ambiciosa, acredita numa atmosfera de calma e satisfação.
ÁRVORE DE ABETO (O Mistério)
É um pessoa de extraordinário bom gosto, dignidade, sofisticada, ama a beleza, temperamental, teimosa, tende para o egoísmo mas se preocupa com as pessoas que estão ao seu redor, é modesta, muito ambiciosa de muitos talentos, criativa, amante insatisfeita, de muitos amigos e inimigos, muito confiável.
ÁRVORE DE ARCE (A Mente Aberta)
Uma pessoa fora do comum, cheia de imaginação e originalidade, tímida e reservada, ambiciosa, orgulhosa, segura de si mesma, com sede de novas experiências, algumas vezes nervosas, tem muitas complexidades, possui boa memória, aprende rapidamente, com uma vida amorosa complicada, gosta de impressionar. Deve buscar ter uma relação seria que encha sua vida, isso lhe fará feliz.
ÁRVORE DE AVELÃ (O Extraordinário)
É uma pessoa encantadora, no pede nada, muito compreensiva, sabe como impressionar as pessoas, é uma pessoa segura, mente aberta, positivista, activa na luta por causas sociais, popular, temperamental e amante caprichoso, sensual e excessivamente apaixonado, belo, sensível, honesto e companheiro tolerante, com um sentido de justiça muito preciso.
A OLIVEIRA (A Sabedoria)
Ama o sol, de sentimentos quentes e ternos, razoável é uma pessoa equilibrada, evita agressão e a violência, tolerante, alegre, calma, tem um sentido desenvolvido para a justiça, sensível, empática, não conhece os ciúmes, lhe encanta a leitura e a companhia de pessoas sofisticadas.
A NOGUEIRA (A Paixão)
Implacável, é uma pessoa estranha e cheia de contrastes, um pouco egoísta, agressiva, nobre, de horizontes amplos, de reacções inesperadas, espontânea, de ambição sem limites, nada flexível, é uma companhia difícil e pouco comum, nem sempre agrada mas é admirável, com um génio estratégico, muito zelosa e apaixonada, não se compromete.
A FIGUEIRA (A Sensibilidade)
Muito forte, é uma pessoa pouco voluntariosa, independente, não permite as contradições ou discussões, ama a vida, sua família, as crianças e os animais, um pouco volátil socialmente, bom sentido do humor, tímida mas um pouco extrovertida. Gosta da ociosidade e da preguiça tem um talento prático e inteligência. Pessoa muito sensual e atractiva ao sexo oposto. Costa de grande elegância e porte.
ÁRVORE DE CASTANHAS (A Honestidade)
De beleza incomum, não deseja impressionar, com um desenvolvido sentido de justiça, vigorosa é uma pessoa interessada, diplomática de nascimento, se irrita facilmente e é sensível com companhia, muitas vezes por de segurança em si mesma, as vezes actua com sentido de superioridade, se sente incompreendida, ama uma só vez, tem dificuldades para encontrar o seu parceiro.
ÁRVORE DE CINZAS (A Ambição)
É uma pessoa excepcionalmente atractiva, vigorosa, impulsiva, exigente, não se importa com as criticas, ambiciosa, inteligente, cheia de talentos, gosta de jogar com o destino, pode ser egoísta, muito confiável e digna de confiança, amante fiel e prudente, algumas vezes o cérebro controla o coração, mas assume suas relações muito seriamente.
ÁRVORE DE FAIA (A Criatividade)
Tem bom gosto, se preocupa com as aparências, materialista, organiza bem sua vida e sua carreira, é uma pessoa económica, bom líder, não toma riscos desnecessários, é razoável, esplêndida companheira de vida, gosta de manter a linha (dieta, desporto, etc.).
ÁRVORE HORNBEAM (O Bom Gosto)
De uma beleza muito franca, se preocupa por sua aparência e sua condição económica, de bom gosto, não é egoísta, vive de forma mais cómoda possível de maneira razoável e disciplinada, busca bondade e conhecimento em uma parceira emotiva, sonha com amantes incomum, aos poucos é feliz com seus sentimentos, desconfia da maioria das pessoas, nunca está segura de suas decisões, muito consciente.
ÁRVORE DE LIMAS (A Dúvida)
Aceita o que a vida lhe dá de uma maneira muito complexa, odeia brigar, o stress, e o trabalho, mas não gosta de preguiça e da ociosidade, é suave e sabe ceder, faz sacrifícios pelos amigos, tem muito talento, mas não o suficiente tenaz para explorá-los, se lamenta e se queixa um pouco, é uma pessoa muito zelosa e leal.
ÁRVORE DE MAÇÃ (O Amor)
De contexto leviana, muito carismática, é uma pessoa chamativa e atractiva, de uma aura agradável, aventureira, sensível, sempre apaixonada, quer amar e ser amada, companheira fiel e terna, muito generosa, de talentos específicos, vive o dia a dia, filosofa despreocupada com imaginação. Totalmente distraída.
ARVORE DE OLMO (A Mentalidade Nobre)
Figura agradável, bom gosto em se vestir, de exigências modestas, tende a não esquecer os erros, alegre, gosta de mandar porém não obedece, é uma companhia honesta e fiel, gosta de tomar decisões pelos demais, de mentalidade nobre, generosa, com bom humor, prática.
ÁRVORE ROWAN (A Sensibilidade)
Cheia de encantos, alegre, da sem expectativas de receber, gosta de chamar atenção, ama a vida, as emoções, não descansa, e inclusive gosta das complicações, é tanto dependente como independente, tem bom gosto, é uma pessoa artística, apaixonada, emocional, boa companhia, não esquece.
O CEDRO (A Confiança)
De uma beleza estranha, sabe se adaptar, gosto do luxo, de boa saúde, não é uma pessoa tímida, não gosta de ver muitas pessoas, é segura de si, tem determinação, impaciente, gosta de impressionar os outros, tem muitos talentos, criativa, saudavelmente optimista, e vive na espera do único e verdadeiro amor, capaz de tomar decisões rapidamente.
O CIPRESTE (A Felicidade)
Forte, adaptável, toma o que a vida tem para dar, é uma pessoa satisfeita, optimista, aspira dinheiro e reconhecimento, odeia a solidão, é uma companhia apaixonada e sempre insatisfeita, fiel, se altera facilmente, não é dócil, e desinteressada.
O PINHEIRO (O Particular)
Encanta a companhia agradável, é uma pessoa muito robusta, sabe fazer sua vida algo confortável, muito activa, natural, boa companhia mas nem sempre amistosa, se apaixona facilmente mas sua paixão se apaga em pouco tempo, se rende facilmente, se decepciona de todo até que encontra seu ideal, é de confiança e de carácter prático.
O ROBLE (A Valentia)
É uma pessoa robusta da natureza, valente, forte, implacável, independente, sensível, não gosta de mudanças, mantém seus pés no chão e gosta de acção.
O SAUCE LLORÓN – Salgueiro-chorão (A Melancolia)
Uma pessoa bela mas melancólica, atractiva, muito empática, ama as coisas belas e tem bom gosto, ama viajar, sonhadora sem descanso, caprichosa, honesta, pode ser influenciada mas é difícil para conviver, exigente, com boa intuição, sofre no amor mas as vezes encontra apoio em sua companhia. Algumas vezes gosta de mentir, é bastante amigável.

PS: a imagem é da árvore de onde eu "caí"!...

terça-feira, março 06, 2007

Ontem, hoje, amanhã...

Eu Te Amo
Antes e depois de todos os acontecimentos
Na profunda imensidade do vazio
E a cada lágrima dos meus pensamentos.
Eu te amo
Em todos os ventos que cantam,
Em todas as sombras que choram,
Na extensão infinita do tempo
Até a região onde os silêncios moram.
Eu te amo
Em todas as transformações da vida,
Em todos os caminhos do medo,
Na angústia da vontade perdida
E na dor que se veste em segredo.
Eu te amo
Em tudo que estás presente,
No olhar dos astros que te alcançam
Em tudo que ainda estás ausente.

segunda-feira, março 05, 2007

SEGUIR EM FRENTE...


Temos de seguir em frente...
em frente é o caminho...
Embora o caminho a seguir seja por vezes com muitas curvas,
labirintos, encruzilhadas...
Não podemos parar, nem sequer andar para trás para corrigir erros.
É necessário caminhar em frente...
Na esperança de um dia acharmos o caminho certo.
Em busca do que muitos chamam felicidade,
se calhar são felizes, e não sabem...
Por vezes só quando perdemos tudo,
é que damos valor ás coisas,ás pessoas,
aos momentos, e aí vemos que afinal eramos felizes e não sabiamos.
Temos de ir em frente...
Quantas vezes duvidamos se é certo...
Quantas vezes paralizamos com medo de escolher,
de mudar o rumo... e nos condicionamos às circunstâncias.
Quantas vezes nos apetece desistir, e parar,
mas continuamos sempre em frente...
Quantas vezes esperamos que alguém nos indique o caminho,
mas temos de o escolher sozinhos...
Porque
É necessário seguir em frente...

Mas nem sempre temos a força...

Uma semana de Luz, Amor e Esperança
Brisa do Mar

domingo, março 04, 2007

RECOMEÇA...

Recomeça....
Se puderes
Sem angústia
E sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.

(Miguel Torga)


Sem pressa...

sábado, março 03, 2007

ESTÁ DIFICIL...


O Sol espreitou e convidou-nos a sair, a Joaninha (tem quase 2 anitos) queria ir ao "paque" (parque) e andar no "tumba-lalão" (baloiço), anda viciada e quando começa o dificil é parar. Lá fomos nós...
Baloiço para a Catarina (dos grandes) e para a Joaninha (de bebe)...
O Pai e a mãe, lá tentaram conversar, namorar, mas lá estava a Joaninha em acção a querer a atenção só para ela...:
-Papá...aqui..!!
Namorar, agora está dificil...
Falarmos também...
Quando não é uma é a outra...
São três mulheres a quererem a atenção do ZLL, não está fácil!!
Mas são o melhor do Mundo.
Depois das baterias gastas, o Zé Pestana lá apertou com a Joaninha e resolvemos regressar, depois da birra para sair do baloiço, lá conseguimos.
E assim passamos esta tarde...
Os parques infantis fazem-me lembrar muito a minha infância, quando o meu querido avô me levava a passar tardes de brincadeira...
Fui privilegiada, tinha o seu amor incondicional...
Que saudades...
Fiquem bem!!

sexta-feira, março 02, 2007

AMAR É TUDO...

Amar é olhar para dentro de si mesmo, e dizer:
Eu quero...
É viver intensamente
É sonhar com uma gota de realidade e realizar uma gota desse sonho
É estar presente até na ausência
Amar é ter em quem pensar
É razão que ninguém teria razão para nos tirar
É ser só de alguém e nunca deixar esse alguém só
É pensar em alguém tão alto a ponto de ela escutar
É acordar para a realidade do sonho
É vencer através do silêncio
É ser feliz até com um pouco quando muito não é bastante
Amar é dar-se por inteiro
É sentir saudades
Amar é a força da razão
É chegar perto na DISTÂNCIA
É sonhar o sonho de quem sonha contigo
É quando os momentos são eternos
Amar é ser adulto e se sentir criança
É viver a vida em versos e ao inverso
É a maior experiência na vida de um homem...
Mas acima de tudo, Amar é crer em Deus porque Deus é amor.
Amar é... VIVER!!
Amor verdadeiro
Amor sem palavras
Que bate no peito
Preenche e acalma
Deus abençoe
Todo esse amor
Que seja puro
Em teu coração
Porque em mim
Eu sei que te amo...

um miminho para o fim de semana, espero que gostem...

quinta-feira, março 01, 2007

Monólogo de uma Lua

Sou a Lua
Satélite dizem que sou
Mas o que sei é que vivo a rodar
Rotação
Revolução
Translação
Sou uma mulher de fases
Lua Nova menina eu volto a ser
fico diante do sol a contemplá-lo
tudo é festa, tudo é belo
De dia no céu eu passo a figurar
Mostrando minha beleza tão singular
Lua Quarto Crescente volta e meio eu sou
metade de mim iluminada podem me ver
Ao sul eu lembro um C de Coração grande
e ao Norte eu lembro um D de Desejo, é assim
que me sinto é assim que me mostro aos corações
apaixonados.
Lua Cheia não demoro a ficar
esplendorosa porque não?
Neste dia sou mistério, sou o oculto.
Sou o etéreo.
A terra me ponho a contemplar
Iluminando os namorados e os
Pescadores em alto mar
Ahhh! Ser Lua Quarto Minguante
Coração e Desejo ou Carinho e Devoção
Sinto o sol ardente me possuindo
Em um eclipse espetacular
Neste dia glorioso o inicio de tudo
Acontece, a união do sagrado feminino e
masculino e a origem da vida se faz.


No próximo dia 3 de Março (Sábado), irá ocorrer o primeiro dos dois eclipses lunares que irão ocorrer em 2007 — sendo que o outro não será visível em Portugal.
O fenómeno decorrerá entre as 21h30 e a 01h20 (já de Domingo), depois da Lua entrar em penumbra às 20h18, e terminará à 01:20 dessa noite, com o eclipse total a ocorrer entre 22h44 e as 23h58.
Se as condições do céu o permitirem, vai ser uma boa oportunidade para observar a sua beleza.
SOL e a LUA vivem da espera desse instante,
raros momentos que lhes
foram concedidos e que custam tanto a acontecer
.

Brisa do Mar